e-RUPI: pagamentos digitais evoluem com voucher pré-pago na Índia; confira mais detalhes

e-RUPI: pagamentos digitais evoluem com voucher pré-pago na Índia; confira mais detalhes

Nova infraestrutura digital criada pelo governo indiano vai facilitar a transferência de recursos diretamente aos beneficiários de políticas públicas.

O presidente da Índia, Narendra Modi, acaba de lançar o e-RUPI, que é um voucher eletrônico para pagamentos digitais que promete revolucionar o modo como o governo faz transferências para a população.

O e-RUPI é um voucher pré-pago que é enviado para os beneficiários por um SMS ou por QR Code. Com o código do voucher em mãos, os usuários podem realizar pagamentos na rede de estabelecimentos credenciados (por exemplo, hospitais e farmácias) sem a necessidade de carregar um cartão.

Esse código é de uso único e serve para facilitar o resgate de serviços e produtos específicos. Os pagamentos digitais via e-RUPI vão ser processados pelo sistema de pagamentos instantâneos indiano, a Unified Payments Interface (UPI), que é uma espécie de Pix indiano e existe desde 2016.

Os recursos no voucher ficam depositados eletronicamente. Não se trata de uma moeda digital, mas pode ser um primeiro passo da Índia rumo à possível emissão de uma CBDC no futuro, já integrada à infraestrutura de pagamentos digitais existente no país.

e-voucher chega até os beneficiários por SMS ou QR Code
Simulação do resgate do voucher de pagamentos digitais, o e-RUPI. Imagem: National Portal of India.

Campanha de vacinação foi o pontapé para a nova tecnologia

Originalmente, o e-RUPI foi criado em uma parceria entre o Departamento de Serviços Financeiros e a Autoridade Nacional de Saúde para distribuir o pagamento de vacinas contra o Covid-19 para a população – as doses de vacina podem custar de 3 a 17 dólares na Índia.

No entanto, o voucher poderá ser usado para vários outros casos, como o pagamento de bolsas, programas de distribuição de renda e outros benefícios sociais.

A tecnologia pode ser uma ferramenta para otimizar os recursos públicos, pois o voucher é entregue rapidamente aos beneficiários, mas os prestadores de serviço só recebem pagamento do governo após o atendimento.

Além disso, as autoridades indianas explicaram em um comunicado que essa infraestrutura digital pode ser utilizada por qualquer empresa ou agência governamental para fazer transferências únicas para pessoas físicas de maneira simplificada, através de um dos 11 bancos emissores do e-RUPI. Assim, uma empresa pode emitir o e-RUPI para distribuir benefícios aos funcionários, ou vale-presentes promocionais, por exemplo.

O provedor de serviços de pagamentos Hitachi já incorporou o e-RUPI na sua plataforma de pagamentos digitais para habilitar pequenas e médias empresas a receberem pagamentos pelo voucher eletrônico.

Pagamentos digitais ganham relevância na Índia, mas inclusão ainda é um desafio

Na Índia, a importância dos pagamentos digitais vem crescendo ano a ano, especialmente graças ao desenvolvimento da UPI, a infraestrutura de pagamentos instantâneos. Entre março de 2020 e março de 2021, o Índice de Pagamentos Digitais cresceu 30%. Com o novo voucher para transferências do governo, a Índia dá mais um impulso à inclusão financeira via digitalização de pagamentos.

A dificuldade de acesso à internet e a alfabetização digital são obstáculos para a inclusão financeira para uma parcela da população. Como o e-RUPI funciona por SMS, os beneficiários não precisam baixar um aplicativo de pagamentos digitais especiais nem precisam de acesso à internet. Assim, o governo espera atingir uma parcela maior da população.

Aqui no Brasil, a distribuição do auxílio emergencial e outros programas sociais durante a pandemia impulsionou o lançamento da conta poupança social digital, que levou à bancarização de 34 milhões de brasileiros, segundo números da Caixa Econômica Federal.

No aplicativo CaixaTem, os beneficiários dos programas sociais podem realizar pagamentos e até três transferências por mês e fazer saques ou pagamentos com um cartão de débito virtual. Contudo, foi apenas em junho de 2021 que a poupança social digital foi integrada ao Pix, proporcionando mais alternativas para movimentar os recursos em conta.

Conforme o Banco Central estuda a emissão do real digital, os resultados do voucher digital e-RUPI podem vir a inspirar iniciativas semelhantes, coordenando os objetivos de eficiência no sistema de pagamentos com os objetivos de política social do governo.

| Leia também:

Bem-vindo ao site do Instituto Propague. Para uma melhor experiência de navegação coletamos cookies. Ao continuar acessando este site você concorda com nossa Política de Privacidade.

Aceitar