Meios de pagamento no Brasil: avança o uso do cartão de crédito e débito

Meios de pagamento no Brasil: avança o uso do cartão de crédito e débito

Em 2020, em vários lugares o varejo teve que fechar ou reduzir as atividades das lojas físicas. Ao mesmo tempo, os consumidores buscaram maneiras de se proteger ao realizar suas compras. Nesse contexto, cresceu o uso do cartão de débito, das vendas remotas e do pagamento por aproximação. No fim do ano, os cartões transacionaram 46% do consumo das famílias.

O conceito da sociedade cashless remete a um mundo literalmente “sem dinheiro”, ou seja, em que o papel moeda será substituído por meios de pagamento eletrônicos. Em alguns países, o dinheiro vivo já é minoritário entre as opções de pagamentos, conforme revela o relatório Global Payments Report 2021 da FIS, uma empresa internacional do setor de pagamentos.

O Brasil se destaca no cenário internacional por maior uso do cartão de crédito, débito e do dinheiro, enquanto as carteiras digitais ainda são relativamente pouco usadas por aqui, conforme a pesquisa da FIS.

Em 2020, os cartões de crédito, débito e pré-pagos movimentaram juntos R$ 2 trilhões no Brasil, conforme dados divulgados pela ABECS (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços). O cartão de crédito ainda é responsável pela maior parte desse volume (R$ 1,18 tri), apesar de crescimento no uso do cartão de débito.

O balanço sobre meios de pagamentos eletrônicos no Brasil revela que as principais tendências de 2020 foram o aumento no uso de cartões de débito, o crescimento das vendas remotas e a expansão dos pagamentos por aproximação.

Meios de pagamento eletrônicos movimentam quase a metade do consumo das famílias

Segundo os dados da ABECS, os pagamentos por cartões de crédito e débito chegaram a representar 46,4% do consumo das famílias no último trimestre de 2020. Com o auxílio emergencial, esse indicador sobe para 47,7%.

Valor transacionado por cartões em % do consumo das famílias

Gráfico - Cartão transaciona 46% do consumo das famílias

Fonte: Abecs, 2021.

Esse número revela a importância do setor de cartões para os consumidores brasileiros, mesmo em meio ao crescimento de opções de pagamentos digitais, como o PIX e e-wallets (carteiras digitais).

Tudo indica que a transição para uma realidade cashless no Brasil passa pela expansão do uso de cartões e gradual redução no uso do dinheiro. Esse movimento é diferente do que ocorre na China e outros países asiáticos onde o dinheiro foi substituído pelas carteiras digitais, que hoje despontam como principal método de pagamento.

A pesquisa global realizada pela FIS mostrou que o Brasil se destaca por um uso maior do cartão de crédito em comparação com a América Latina e o resto do mundo, tanto nas compras in loco quanto no e-commerce.

No entanto, ainda estamos distantes de um futuro “sem dinheiro”. O estudo estima que a proporção do uso do dinheiro entre todos os meios de pagamento em pontos de venda tenha caído 24,9% em 2020 no Brasil. Mesmo com essa queda acelerada, o dinheiro ainda responde por mais de um terço das vendas presenciais (veja abaixo).

Participação dos meios de pagamentos no valor das vendas do e-commerce e no ponto de venda

Gráfico - E-commerce e presencial

Fonte: Global Payments Report 2021/FIS.

Varejo digital – vendas remotas com cartão cresceram 32%

Um dos fatores que impulsionou o uso de cartões foi o aumento do e-commerce e de vendas remotas em geral. O gráfico acima mostra que o cartão de crédito é responsável por cerca de 43% do valor das compras online, seguido pelas carteiras digitais (17%), cartões de débito (13%) e boleto (12%).

Segundo a ABECS, as compras não presenciais com cartão, processadas pela internet, cresceram 32,2% em 2020, comparado ao ano anterior. Uma de cada três transações por cartão de crédito foi processada de modo remoto no último trimestre do ano.

Vale notar que, embora o cartão de crédito seja a modalidade predominante para compras online, o uso remoto do cartão de débito cresceu consideravelmente no último ano. Para isso, foi necessário expandir as soluções para aceitar a função débito nos pagamentos pela internet ou mobile para delivery, encomendas e outros serviços.

| Confira nosso podcast sobre as últimas tendências em modelo de negócios do comércio eletrônico clicando aqui

Cartão de débito facilita distribuição do auxílio emergencial

Em 2020, os cartões de débito processaram 11,5 bilhões de transações, superando as 10,9 bilhões de transações pelo crédito. Em termos de valor transacionado, o débito cresceu quase 15%, mas ainda é inferior: R$ 762 bilhões.

Esses números não incluem os mais de R$ 52 bilhões do auxílio emergencial que foram transferidos por cartões de débito. O balanço da ABECS reforça que os meios eletrônicos de pagamentos tiveram um papel fundamental na distribuição do auxílio, facilitando o uso do benefício sem a necessidade de sacar dinheiro.

Pagamentos por aproximação podem ser nova tendência

Outra tendência no mercado de meios de pagamento é o pagamento por aproximação, ou contactless. Esse tipo de transação ganhou adeptos durante a pandemia por ser uma alternativa que permite pagamentos presenciais sem contato entre pagador e recebedor. Basta aproximar o cartão, o celular ou algum gadget pessoal que tenha a tecnologia NFC (Near Field Communication) instalada.

Até um certo limite, não é necessário digitar a senha na maquininha. Por isso, os pagamentos por aproximação passaram a ser vistos como opções mais higiênicas do que o pagamento em dinheiro ou pelo cartão com chip e senha.

Segundo a pesquisa da FIS, os pagamentos por NFC superaram o uso do dinheiro nas compras presenciais ao redor do mundo. No Brasil, os dados da Abecs mostram um crescimento expressivo, de R$ 7,2 bi em 2019 para R$ 41 bi transacionados em 2020.

Os números de pagamentos contactless no país são modestos, mas devem seguir trajetória ascendente conforme mais pessoas conhecem a alternativa. Esta é a aposta da Abecs, que aumentou o limite de segurança dos pagamentos NFC para R$ 200 em dezembro de 2020 em uma tentativa de ampliar o uso da modalidade no país.

| Veja também:

E-commerce no Brasil: cresce mercado para pagamentos digitais pós-COVID [ARTIGO]

Mercado de Pagamentos – Retrospectiva 2020 [PODCAST]

O avanço das carteiras digitais [PODCAST]

Já está disponível o curso do Instituto Propague Fintechs: como surgiram e o que esperar para o futuro. Inscreva-se já! É gratuito e 100% online.

Bem-vindo ao site do Instituto Propague. Para uma melhor experiência de navegação coletamos cookies. Ao continuar acessando este site você concorda com nossa Política de Privacidade.

Aceitar