Transferências internacionais: Malásia e Singapura testam pagamentos em tempo real

Transferências internacionais: Malásia e Singapura testam pagamentos em tempo real

Iniciativas adotadas por esses e outros países do sudeste asiático podem servir de modelo para o avanço das transferências internacionais instantâneas entre mais países e regiões.

O envio de dinheiro de um país para o outro de forma simplificada e instantânea está pautando cada vez mais as inovações tecnológicas adotadas por muitas nações, a fim de otimizar seus sistemas de pagamentos. Principalmente quando se leva em conta a maior mobilidade de pessoas, o fluxo migratório e a prestação de serviços além-fronteiras. A facilidade beneficia não só os indivíduos, mas também pequenos e médios negócios que demandam soluções dinâmicas e mais baratas para fazer face às suas necessidades de pagar e receber fora do seu território. E um dos exemplos mais recentes vem da Malásia e Singapura; esses países estão testando um modelo de transferências internacionais em tempo real que pode servir de inspiração para o avanço da modalidade em mais localidades.

Segundo as autoridades monetárias da Malásia e de Singapura, Bank Negara Malaysia (BNM) e Monetary Authority of Singapore (MAS), respectivamente, a partir do quarto trimestre de 2022, cidadãos e empresas poderão realizar transferências e pagamentos entre os dois países de forma instantânea usando apenas o número do smartphone. Tudo graças ao projeto “Phased Linkage” (Ligação em Fases, na tradução livre para o português) a ser vinculado às plataformas de pagamentos DuitNow (Malásia) e PayNow (Singapura).

No comunicado para anúncio do serviço, o BNM e a MAS adiantaram que “as transferências deverão ser concluídas em questão de minutos, o que representa um ganho extraordinário em relação à média de um a dois dias como atualmente acontece através da maioria das soluções de remessas internacionais”.

Ainda de acordo com os bancos centrais dos dois países, “o projeto permitirá um fluxo de pagamentos mais contínuo a fim de atender o alto volume de remessas entre Malásia e Singapura que alcançou, em 2020, a cifra de US$ 96 milhões”, além de atender à demanda dos viajantes entre as duas nações asiáticas, que antes da pandemia, atingia, em média, um tráfego anual de 12 milhões de chegadas. “Portanto, esse projeto é um marco significativo no relacionamento e se alinha aos esforços a fim de criar transferências internacionais mais rápidas, baratas, transparentes e financeiramente inclusivas”, destacaram.

Além disso, a expectativa com o projeto é tão positiva, que o MAS e o BNM também já pensam em expandir de forma progressiva o vínculo entre as duas plataformas de pagamentos com o intuito de oferecer um amplo leque de recursos aos usuários.

Transferências internacionais no sudeste asiático

Assim como o anunciado agora com a Malásia, no início de 2021, Singapura também já havia sinalizado um movimento nessa mesma direção com a Tailândia. Na ocasião, o MAS, por meio do PayNow e o Promptpay, sistema de pagamentos do Central Bank of Thailand (BOT), comunicaram que estavam trabalhando para acelerar as transferências internacionais de varejo entre os dois países em tempo real.

Através da parceria, os usuários das duas plataformas de pagamentos poderão transferir até US$ 750 por dia entre as duas nações, usando apenas o número do celular.

Na época da divulgação do projeto entre os dois países, o diretor-gerente do MAS adiantou em comunicado que tem como missão formatar uma rede de sistemas de pagamento de varejo instantânea que esteja ligada aos estados-membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean, na sigla em inglês).

Conforme explicou “com o crescimento da economia digital, queremos proporcionar às pessoas e empresas da região um sistema de pagamentos internacionais simples, rápido e seguro com apenas alguns cliques em seus smartphones”.

Ao mesmo tempo, o governador do BOT, Sethaput Suthiwartnarueput, afirmou que o Promptpay também está focado na criação de links internacionais de pagamentos com a Asean e outros países, a partir de QR Codes. A princípio, abrangendo o Japão, o Laos, o Camboja e o Vietnã.

Pix internacional é aposta do Brasil

As transferências internacionais, principalmente remessas de pequeno valor para pessoas físicas e pequenas e médias empresas, também estão na mira do Banco Central do Brasil (BC). Conforme o BC, elas são uma das maiores apostas em se tratando de pagamentos instantâneos nos próximos anos.

Nesse sentido, a autoridade monetária brasileira está estudando o Pix internacional, aproveitando o sistema de pagamentos em tempo real já em uso pelos brasileiros, sendo que para outros países.

Na verdade, mesmo antes de lançar o Pix, o BC já estudava a possibilidade de os brasileiros poderem fazer e receber pagamentos de fora do país por meio desse sistema de pagamentos instantâneos. Já se chegou, inclusive, a ventilar que a implementação do serviço estaria prevista para 2022 ou 2023.

Dessa forma, caso se concretize, o Brasil estaria em consonância com uma tendência observada não só no sudeste asiático, mas também em países de outras regiões do globo no sentido de prover soluções mais eficientes, rápidas e a custos reduzidos para as transferências internacionais.

Veja também:

Bem-vindo ao site do Instituto Propague. Para uma melhor experiência de navegação coletamos cookies. Ao continuar acessando este site você concorda com nossa Política de Privacidade.

Aceitar