Gerenciamento de identidade: o que é e qual sua importância para a cibersegurança

Garantir o nível adequado de acesso àquilo que é digitalmente disponibilizado pelas empresas, definindo cada usuário e o que ele pode acessar, se torna dia após dia essencial para a segurança cibernética de qualquer organização.
Gerenciamento de identidade: o que é e qual sua importância para a cibersegurança
Data
Autor
Equipe Propague
Produto
Compartilhar

Nos últimos anos, o número de aplicativos entre outras soluções digitais cresceu sem precedentes nos mais variados setores. Hoje em dia, prioritariamente criadas em nuvem, elas são acessadas a todo instante, transacionando desde simples dados a informações confidenciais e regulamentadas. De modo que não é mais admissível e conveniente apenas criar um servidor de identidade e dar acesso mediante solicitação. Na verdade, ser capaz de acompanhar o fluxo de informações e permitir o acesso privilegiado somente como e quando necessário é o mais indicado. É aí que entra em cena o gerenciamento de identidade.

O termo, também aplicado como gerenciamento de identidade e acesso, representa uma junção de políticas e tecnologias que possibilitam que as organizações identifiquem os usuários e forneçam a forma correta e segura de acesso.

Em outras palavras, significa assegurar que as pessoas que usam as aplicações tenham o nível certo de acesso àquilo que é digitalmente disponibilizado pelas empresas, a exemplo de suas redes e bancos de dados. Nesse sentido, as funções de cada usuário e o que ele pode acessar são estabelecidos e administrados através do gerenciamento de identidade.

Seu funcionamento se baseia na definição de identidades digitais únicas e intransferíveis para hardwares, softwares, aplicativos, pessoas, processos e tudo o mais que se encontra nas redes de uma organização. Assim sendo, é o gerenciamento de identidade que dirá quem é cada usuário e o que ele tem permissão para usar, desbloqueando as funções e evitando acessos indesejáveis.

Benefícios do gerenciamento de identidade

Adotar o gerenciamento de identidade certamente traz uma série de vantagens, entre elas podemos citar:

Redução dos riscos tecnológicos e operacionais

Por meio do gerenciamento de identidade será possível automatizar rotinas como certificações ou solicitações de acesso e administração de senhas. Dessa forma, os riscos e por consequência os custos operacionais se tornam menores.

Fortalecimento dos controles internos

Ao mesmo tempo em que permite que os usuários obtenham acesso de maneira independente, o gerenciamento de identidade fornece às empresas relatórios analíticos, auxiliando no fortalecimento dos controles internos, bem como impedindo a transmissão de dados confidenciais.

Aumento da segurança

Credenciais de acesso comprometidas são uma ameaça para qualquer organização. No entanto, com o gerenciamento de Identidade é possível ter uma visão centralizada dos usuários e de quem tem acesso a quê. Assim sendo, os responsáveis pela função são capazes de identificar acessos inadequados e a violação das políticas da empresa.

Melhoria da conformidade

A certificação de que os controles são sólidos e adequados a fim de atender aos critérios de segurança e privacidade, assim como aos regulamentos, é mais um benefício do gerenciamento de identidade.

Agilidade e eficiência

Ao conferir ao usuário acesso rápido e seguro aos sistemas, o gerenciamento de identidade possibilita que ele ganhe em produtividade.

Tipos de autenticação de usuário

Uma das principais atribuições do gerenciamento de identidade é autenticar o usuário e o ele pretende ter acesso. Entre os tipos de autenticação, a mais básica acontece quando alguém insere um nome de usuário e senha em uma tela de login. A partir daí, o banco de dados da organização é consultado para garantir que os dados inseridos correspondem ao que está registrado.

Entretanto, existem soluções de autenticação mais atuais e que fornecem abordagens mais complexas com o propósito de proteger melhor os ativos da empresa. São elas:

Autenticação versus autorização

Quando um usuário é verificado, o sistema confronta o que ele pretende acessar com as informações que essa pessoa tem acesso ou autorização para visualizar.

Logon único

Uma solução de logon único aumenta a produtividade e reduz o atrito para os usuários. Isso porque, com um conjunto de credenciais de login (nome de usuário e senha) inseridos uma vez, um indivíduo pode acessar vários aplicativos, alternando entre eles sem problemas.

Autenticação multifator

A autenticação multifator, adiciona outra camada de proteção exigindo que os usuários apresentem duas (autenticação de dois fatores) ou mais credenciais de identificação, além de um nome de usuário, para obter acesso aos aplicativos. Por exemplo, o usuário pode ser solicitado a inserir uma senha e um código temporário enviado por e-mail ou mensagem de texto.

Autenticação baseada em risco

Também conhecida como autenticação adaptativa, uma solução de autenticação baseada em risco solicita ao usuário a autenticação multifator somente quando detecta a presença de um risco mais alto. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando a localização do usuário é diferente do esperado, com base no endereço IP, ou quando um malware é detectado.

Veja também:

Fraudes em pagamentos saltam 70% com aumento das transações online

Cibersegurança: Bancos apostam na educação digital para evitar fraudes

Mercado global de detecção e prevenção a fraude deve ultrapassar US$ 100 bilhões até 2027, diz pesquisa

Fraude, cibersegurança e o boom digital na pandemia

Todos os produtos

Quer se
aprofundar mais?

Com uma linguagem simples de entender, as análises do Instituto Propague vão te deixar por dentro dos principais temas do mercado.

Leia agora!