Swift aposta em CBDCs enquanto reguladores esquentam o debate sobre moedas digitais

Principal fornecedor global de serviços de mensagens financeiras para pagamentos internacionais testa a interoperabilidade das CBDCs, ao passo que o FMI e o BIS trazem novas propostas reforçando as discussões sobre o tema.
Swift aposta em CBDCs enquanto reguladores esquentam o debate sobre moedas digitais
Data
Autor
Equipe Propague
Produto
Compartilhar

Dados do Banco de Compensações Internacionais (BIS) revelam que aproximadamente 90% dos bancos centrais estão trabalhando de alguma forma com o conceito de moeda digital de banco central (CBDC na sigla em inglês). Destes, 26% estão executando projetos piloto e mais de 60% realizam experimentos ou provas de conceito. O próprio BIS já desenvolveu pilotos com algumas autoridades monetárias para uso de CBDC para pagamentos internacionais, movimento agora acompanhado pelo Swift, fornecedor global de serviços de mensagens financeiras para a maioria das transações transfronteiriças.

Com mais um experimento em execução, certamente o debate sobre CBDC ganhará novos contornos. Enquanto o Swift avança nos testes, autoridades monetárias como o BIS e o Fundo Monetário Internacional (FMI) lançam novas diretrizes sobre as moedas digitais, com recomendações que passam pela estrutura regulatória assim como pela adoção de componentes ecologicamente corretos.

Quando o assunto são pagamentos internacionais, o uso de CBDC vem sendo explorado em parte devido à lentidão dos modelos atuais e à necessidade de usar intermediários ou bancos correspondentes para a liquidação das transações.

Entenda o que é sistema Swift clicando aqui.

Swift testa capacidade de CBDC para pagamentos internacionais

O conjunto de experimentos de interoperabilidade de CBDC para pagamentos internacionais foi anunciado pelo Swift no fim de maio de 2022. O trabalho está sendo desenvolvido em parceria com a Cap Gemini, empresa francesa de consultoria de tecnologia da informação.

Em um comunicado, o Swift expôs sua preocupação de que sem interoperabilidade as CBDCs podem criar estruturas domésticas, fragmentando o cenário global de pagamentos. Dessa forma, sua intenção é habilitar a capacidade de comunicação entre diferentes moedas digitais de banco central, algumas das quais podem ser centralizadas e outras podem usar blockchain.

Segundo Nick Kerigan, chefe de Inovação do Swift, o desafio nesse sentido é que haverá várias plataformas CBDC em desenvolvimento em paralelo aos sistemas de pagamento tradicionais existentes. “Diferentes sistemas e diferentes CBDCs precisarão trabalhar juntos de maneira eficiente, ou, caso contrário, prejudicará a capacidade de empresas e consumidores de fazer pagamentos internacionais sem atrito usando CBDCs”, alegou.

Nesse contexto, o Swift explicou que os testes exploram a interligação desses sistemas díspares através da sua plataforma a fim de que uma transação transfronteiriça vincule o sistema CBDC de origem ao Swift e de lá para o sistema CBDC de destino.

Vale ressaltar que esse é o segundo projeto realizado pelo Swift com CBDC. Em 2021, a empresa publicou um relatório com a Accenture compartilhando o experimento sobre interoperabilidade entre uma CBDC e um sistema convencional de liquidação bruta em tempo real (RGTS na sigla em inglês).

FMI e BIS lançam recomendações para pagamentos transfronteiriços com criptografia

Ao mesmo tempo em que o Swift testa CBDCs para pagamentos internacionais, o FMI e o BIS apresentam recomendações que esquentam o debate sobre moedas digitais. O primeiro, propõe uma CBDC ecologicamente correta e mecanismos distintos da Prova de Trabalho (PoW na sigla em inglês), comum em criptomoedas como o Bitcoin. Já o segundo, alega que pagamentos criptográficos transfronteiriços precisam de nova estrutura regulatória.

O FMI, por meio do estudo “Moedas Digitais e Consumo de Energia”, expõe a importância da escolha do design considerando o ecossistema de criptomoedas para analisar o instrumento ideal para o desenvolvimento de CBDC e a construção de um sistema de pagamento convencional ambientalmente responsável.

Compartilhando o que se discute sobre os impactos ambientais das moedas digitais, o FMI sugere aos bancos centrais se afastarem dos aplicativos baseados em tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) fundamentados em PoW. No entanto, reconhece a grande eficiência energética trazida por ativos criptográficos não-PoW e autorizados quando confrontados com o sistema financeiro tradicional.

O BIS, embora reconheça que a blockchain reduz consideravelmente o custo, a complexidade e dá velocidade aos pagamentos internacionais, aponta que, ao cortar os intermediários financeiros, o envio de fundos internacionalmente por meio de criptomoedas também elimina as “entidades centrais mutuamente confiáveis” que os reguladores e a aplicação da lei confiam para a conformidade contra a lavagem de dinheiro.

Como solução, no white paper “Aprimoramento baseado em DLT da eficiência de pagamentos transfronteiriços – uma perspectiva legal e regulatória”, a autoridade traz uma proposta no mínimo radical: redesenhar todo o sistema regulatório para se concentrar na tecnologia DLT, em vez de empresas individuais, como bancos e serviços de transferência eletrônica. Contudo, assume que encaixar a lei financeira tradicional em uma estrutura de DLT seja algo conflituoso, mas o trabalho poderá valer a pena.

 

Leia mais:

Moedas digitais vão transformar pagamentos internacionais, segundo pesquisa do BIS

CBDCs em 2022: tudo o que você precisa saber até agora!

Pagamentos internacionais: plataforma multi-CBDC pode moldar futuro das moedas digitais soberanas

Futuro dos pagamentos: caminhos para adequação à era digital

Moedas digitais: como afetam o sistema financeiro e as soluções dos bancos centrais

Pagamentos em criptomoedas: as apostas para o futuro

Todos os produtos

Quer se
aprofundar mais?

Com uma linguagem simples de entender, as análises do Instituto Propague vão te deixar por dentro dos principais temas do mercado.

Leia agora!